Pular para o conteúdo principal

Diário de Viagem- Edifício Martinelli

Fachada, Edifício Martinelli
O Condomínio do Edifício Prédio Martinelli é tão grande e possuí três ruas de entrada, a Rua São Bento, a Av. São João e a Rua Líbero Badaró.  
BREVE HISTÓRIA
O Imigrante italiano, Giuseppe Martinelli, chega ao Brasil por volta de 1889, com o desejo de Prosperar. Ele conseguiu erguer seu patrimônio em pouco mais de duas décadas.
Desejoso por deixar um legado mais permanente de seu trabalho, além de sua importante empresa de navegação em Santos, o Comendador Martinellidecide erguer na cidade São Paulo o mais alto arranha-céu da América do Sul, o Edifício Martinelli.(MARTINELLI, 2014)
Casa do Comendador Martinelli
 A obra prometia uma enorme polêmica, pois a São Paulo de então não possuía nenhum edifício de grande estatura, sendo raros os prédios com mais de 5 andares.
Em 1924 deu início à construção do prédio projetado para ter 12 andares, num grande terreno na então área mais nobre da capital. O autor do projeto era o arquiteto húngaro William Fillinger, da Academia de Belas Artes de Viena.
Corredor, andar 26
Enquanto isso, Martinelli não parava de acrescentar andares ao edifício, estimulado pela própria população que lhe pedia uma altura cada vez maior – de 12 passou para catorze, depois dezoito e em 1928 chegou a vinte. Nessa época o próprio Martinelli já havia assumido o projeto arquitetônico
Quando o prédio atingiu vinte e quatro andares, foi embargado, por não ter licença e desrespeitar as leis municipais. A questão foi resolvida por uma comissão técnica que garantiu que o prédio era seguro e limitando a altura do prédio a 25 andares. O objetivo de Martinelli, contudo, era chegar aos 30 andares, e o fez construindo sua nova residência com cinco andares no topo do prédio.
Mesmo antes de sua conclusão o prédio já havia se tornado um símbolo e ícone de São Paulo – em 1931 o inventor do rádio, Guglielmo Marconi, visitou a cidade e foi levado até o topo do edifício. Quando o Zeppelin sobrevoou a cidade em 1933, deu uma volta em torno do Martinelli.
Vista do Terraço
Contudo, para o Comendador a construção do prédio acarretou sérios problemas financeiros, e em 1934 foi forçado a vender o edifício para o governo da Itália. Em 1943, com a declaração de guerra do Brasil ao eixo, todos os bens italianos foram confiscados e o Martinelli passou a ser propriedade da União, tendo inclusive sido rebatizado com o nome de Edifício América.
Banespa- Vista Martinelli


Em 1947 o Martinelli perdeu o título de prédio mais alto de São Paulo para o vizinho Edifício do Banco do Estado. Porém o prejuízo foi a construção da massa gigantesca do Banco do Brasil, fazendo sombra ao Martinelli – que se tornou assim vítima da própria verticalização da qual tinha sido pioneiro.
Nas décadas de 60 e início da de 70, o prédio entra em rápida decadência por uma série de fatores. O prédio se torna uma favela vertical, ocupado por famílias de baixa renda em péssimas condições de salubridade.
Vista
Então, em 1975 o recém-empossado prefeito Olavo Setúbal decidiu salvar o edifício. Desapropriou o prédio – foi necessária a intervenção do exército para retirar os moradores mais renitentes – e deu início à restauração. Em 1979 foi reinaugurado, sendo ocupado por diversas repartições municipais, como a Emurb e a Cohab. (MARTINELLI, 2014)

A VISITA.
Visitar o edifício é mergulhar na rica história de São Paulo, é poder ter o privilégio de desfrutar de uma arquitetura eclética, e se sentir em uma verdadeira vila italiana.
No terraço, além de desfrutar da vista em 360º da cidade de São Paulo, você pode admirar a grandiosa casa do comendador Martinelli, que possui 5 andares e cerca de 15 cômodos e a casa dos empregados.

 Estar nesse ambiente, é ter a oportunidade de reviver o passado e voltar no tempo, e imaginar que nesse local a elite paulistana circulava e realizava grandes eventos. Além disso, a oportunidade de estar em um edifício que por muito tempo foi um ponto de referencia para America do Sul e principalmente para São Paulo, é única e inesquecível.

A visita com certeza é inesquecível, ainda mais guiada pelo simpático Edson Cabral, que conta com riquíssimos detalhes, toda a história do edifício e de seu fundador, buscando entreter o visitante, e levá-lo a fazer uma viagem no tempo sem sair do lugar.
É importante ressaltar, que o edifício só está disponível  para visitação, por conta do Cabral, pois antes de 2006 ele era fechado ao público, e pela iniciativa pioneira dele, hoje é possível mergulhar nesse passado cultural e peculiar.
Então aproveite e venha conhecer o Edifício Prédio Martinelli. Os horários de visitação são de segunda a sexta, ás 9h 30 ás 11h 30, e das 14h às 16h, já aos sábados, das 9h ás 15h, e aos domingos, dás 9h às 13h, com entrada gratuita.
 
Cabral, o guia
REFERENCIAS
MARTINELLI, C. P. E. História. Disponível em <http://www.prediomartinelli.com.br/historia.php> Acesso em: 4 de julho de 2014.
MARTINELLI, C. P. E. Visitas. Disponível em < http://www.prediomartinelli.com.br/visitas.php> Acesso em: 4 de julho de 2014.


Veja o video que conta a história do Edifício e do Martinelii, Por Edson Cabral.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…