Pular para o conteúdo principal

Uma Estância sem água... E sem turistas - O Caso de Joanópolis

A Estância Turística de Joanópolis faz parte do Sistema Cantareira, composto por cinco represas interligadas que abastecem cerca de 55% da Região Metropolitana de São Paulo. A represa da estância é formada pelos rios Jaguari, com nascente no Sul de Minas Gerais, e o rio Jacareí, que nasce em Joanópolis (SABESP, 2014). 
Sistema Cantareira- Imagem retirada da Internet
O Sistema Cantareira sempre contou com um bom nível de água e com poucas secas, porém nos últimos quatro anos as chuvas diminuíram drasticamente na região, e com isso a Represa Jaguari e Jacareí começou a secar. 
As causas dessa seca não são relacionadas somente à estiagem, mas sim à falta de planejamento por parte do poder público e da Sabesp, ao assoreamento da represa, à troca de administração e muitos outros fatores
Vista Aérea- Reprodução Pousada Bongaville, 2013 
Em virtude disso, a represa nesse ano está totalmente baixa (com 8,6% de armazenamento, segundo a SABESP). Com o esgotamento da represa, grandes impactos podem ocorrer, como a racionalização de água, perda da biodiversidade, abalo ambiental e muitos outros fatores (JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 2014). 
Além dos impactos ambientais, esse artigo irá abordar o impacto turístico nas pousadas. Elevada à categoria de Estância há treze anos, Joanópolis não possui um turismo consolidado e não explora plenamente todos os seus recursos naturais, culturais e urbanísticos (JOANÓPOLIS, 2008, p. 5). 
Barcaça desassoreando a represa, para construção de um rio
Porém, as pousadas instaladas procuram usufruir ao máximo de todo recurso disponível, e como todo empreendimento, esperam o retorno financeiro. Há um número considerável de pousadas em Joanópolis, cerca de dezessete, e grande parte delas se encontra no entorno da represa. 
Diferença da descida de barcos em relação a água,
São visíveis as razões que levaram os empreendedores a instalar suas pousadas à margem da represa: a excelente vista, os esportes náuticos, a paz e o sossego, o contato com a natureza, entre outros. Os empreendedores investiram grandes quantias para a construção e divulgação do seu negócio. Como é o caso da Pousada Bongaville, situada na represa, próxima ao Túnel 7, criada em 2004 e com uma nova administração desde 2013. 
Passando atualmente por momentos atribulados, com 90% de queda na ocupação, a Pousada Bongaville foi a última a ficar sem água nos eu entorno, devido a sua proximidade com o Túnel 7, que é a parte mais profunda da represa. 
Vista da Pousada Bongaville, 2013
Vista da Pousada Bongaville, 2014
Para o proprietário, esse momento está sendo muito doloroso e lastimável, por ter arrendado a pousada no final de 2013, sendo que ainda não conseguiu recuperar todo o capital investido, e pelo baixo nível de ocupação. Na realidade a situação atinge todas as pousadas ao redor da represa. Algumas estão sem água a mais de um mês, e com os trabalhos interrompidos por tempo indeterminado. 
Represa vista da Pousada Bongaville
Com essa falta de hóspedes e de turistas, algumas pousadas possuem recursos para se manter por cerca de três meses. Contudo, a problemática das pousadas atinge a situação turística do município, pois a Estância não possua muitos leitos e opções de lazer, e o fechamento dessas pousadas pode acarretar em uma quebra estrondosa no número de turistas e na receita gerada por eles. 
Para solucionar os seus problemas e evitar a falência, os empreendedores têm procurado fomentar ainda mais seus estabelecimentos e procurar outras temáticas de desenvolvimento, com a finalidade de captar novos hóspedes. A maior dificuldade dos empreendedores de Joanópolis é investir em pousadas que estão à margem da falência, isso com poucas políticas públicas de fomentação, que não desenvolvem estratégias para sanar a problemática. 
Tunel 7, Sistema Cantareira
Parando para pensar em todos aqueles que, em algum momento investiram e ajudaram a desenvolver e a consolidar o nome da Estância, nota-se que eles estão sendo violentamente afetados em seus anseios e frustrados pela falta de reciprocidade do poder público. 
Quando um empreendedor investe todas as suas economias e também a sua vida em um negócio, para em seguida ser surpreendido e ter de enfrentar uma situação de calamidade, ele vê, além do seu investimento, toda a sua força de vontade ir embora junto com a água. 
Para finalizar deixo alguns questionamentos que pretendo explanar nos próximos artigos. E agora como fica o turismo joanopolense? E como que ficará a situação dessas pousadas instaladas no município? O que acarretará o fechamento dessas pousadas?
Esse assunto possui uma ampla magnitude e implicações, que agora nos resta discutir de como será o Futuro!
AGRADECIMENTOS
Vista da Pousada Bongaville
Gostaria de agradecer á todos aqueles que promoveram a realização da pesquisa e contribuiram com a formulação do artigo: à estudante Angelica Mirian, ao artista plastico Silvio Alvarez  e ao técnico ambiental Diego Toledo.


Em especial, gostaria de agradecer ao Rafael Vasconcelos, que é o proprietário da pousada Bongaville, que com grande cordialidade e hospitalidade recebeu a nossa equipe e respondeu com riqueza de detalhes a entrevista. 
Meus sinceros agradecimentos à todos!

REFERÊNCIAS

F. DE S. PAULO.  Sem previsão de chuvas, nível do sistema Cantareira volta a cair em São Paulo. Folha de São Paulo. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2014/06/1463426-sem-previsao-de-chuvas-nivel-do-cantareira-volta-a-cair-em-sao-paulo.shtml> Publicado em: 1 de junho de 2014.
JOANÓPOLIS, C. M. da E. T de. Lei orgânica do município de Joanópolis. 4ª ed. Joanópolis: Legislação Complementar, 2008
SABESP. Sistema Cantareira garante abastecimento. Notícias. Disponível em <http://www.sabesp.com.br/CalandraWeb/CalandraRedirect/?temp=4&proj=AgenciaNoticias&pub=T&db=&docid=3B3851C287055C148325770600671FDD> Acesso em: 17 de junho de 2014.
Revista Bragantina On Line

Gostaria de Enfatizar que essa matéria já foi publicada no Jornal Tribuna da Cidade, de Joanópolis,Jornal O Registro e na Revista Bragantina On Line.
Jornal Tribuna da Cidade, Julho de 2014
O Registro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…