Pular para o conteúdo principal

A fuga do Turismo

Recentemente tenho escutado muito sobre o assunto, claro que desde quando comecei minha faculdade já via que a situação estava mudando. Há algumas semanas atrás fiz um inventario dos cursos de turismo que circundam em um raio de 1.000 Km a Unesp do Campus de Rosana/SP e, o que observei foi algo extremamente entristecedor.
Procurei na internet quais eram as instituições que ofereciam o curso de turismo e, assim, enviei a elas um e-mail, convidando para um evento. Ao receber as suas respostas (dos que responderam) observei que em três destas o curso de turismo fora fechado, ai por curiosidade perguntei a uma delas o motivo, e a resposta:
- Não conseguimos abrir turma, já estamos há 3 anos sem turmas de turismo.
Isso foi bem frustrante, pois não há gente querendo fazer turismo e, o pior, a fuga da profissão não está naqueles que não a escolhem, mas também, naqueles que começam a cursar e param (vejo isso na minha sala).
Me peguei então pensando o motivo que leva as pessoas não escolherem Turismo e as que escolhem, desistir do curso. A resposta não veio fácil, nem sei se é a mais adequada. Mas ao falar com algumas meninas da UNIRIO e, analisar que a situação é a mesma, pensei que o que tem faltado é a informação.
Quando dou palestras nas escolas de ensino médio observo que poucos são os alunos que conhecem a função do turismólogo. Dai eu lhes pergunto como escolher uma profissão que nem ao menos sabemos dela? Como escolher algo que não sabemos que existe?
Penso, que falta informação, a informação seria uma das soluções para resolver o caos dos fechamentos dos cursos, regulamentação da profissão entre outros pormenores que sabemos que existe. Pois, se informamos os jovens eles reconhecem a profissão, assim aumenta-se a valorização, deste modo os interessados buscam ingressar nas faculdades.
Sei muito bem das dificuldades do turismólogo no mercado de trabalho, sei que qualquer um pode ocupar nossas postos, mas também sei que não é “qualquer um” que tem a capacidade para planejar o turismo, sei que não é qualquer um que tem aptidões técnicas e teóricas para fomentar o turismo e, é por isso que estou nessa área.
Agora, quando não informamos a comunidade externa e nos isolamos nos murros olímpicos de nossas universidades, estamos criando uma sociedade que não nos conhece, não sabe nossa função e muito menos deseja seguir nossos passos. Além disso, colocar discentes desatualizados e desinformados nos cursos de turismo é potencializar a sua evasão (digo isso por experiência).

Não informar sobre a realidade do turismo é formar turismólogos que vão trabalhar em outros ramos. Enfim, vejo que muitas vezes nos limitamos aos muros das universidades e faculdades, acreditamos que porque temos uma vaga não precisamos olhar para fora da caixa e contribuir com o meio social que nos rodeia.

Sobre o mercado de trabalho, confira o novo vídeo:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…