Pular para o conteúdo principal

Minha Primeira Apresentação de Trabalho- Fórum Internacional de Turismo do Iguassu

Quando entrei na faculdade tomei conhecimento da oportunidade de apresentar trabalhos em eventos, sempre fiquei encantado e motivado pela oportunidade. Mas, quando realmente tive a noticia que teria que apresentar, a história foi outra.
Logo de inicio fiquei com medo e ao mesmo tempo ansioso, pois tinha medo de dar errado e estava ansioso para viver este momento.
Assim que soube que meu artigo científico “Rota e Roteiros: Desafios para uma nova conceituação” tinha sido aprovado no IX Festival Internacional de Turismo do Iguassu quase “enfartei”. Fiquei totalmente surpreso, pois era o meu primeiro artigo que redigi e que havia sido aprovado.
A primeira coisa que eu fiz foi contar para meus pais e a segunda foi o correr falar com a minha orientadora. Como não tinha experiência alguma com apresentação ela foi essencial, me deu o que a apresentação deveria conter e etc.
Após isso fiquei treinando incessantes vezes, se foram 20 foi pouco, tentando controlar meu tempo, a velocidade da minha voz e, sobretudo o nervosismo. Treinei tantas vezes que na primeira vez apresentei em 15 min e em outra vez apresentei meu artigo em 8 min, sendo que o máximo era 10 min.
Bom, depois de muito treino e de assistir milhões de apresentações na internet, chegou o dia de ir para Foz do Iguaçu. No caminho tentei espairecer a mente pensar em outras coisas e aproveitar a viagem, uma vez que era a primeira vez que viajava ao destino.
Chegando a Foz do Iguaçu, eu e os outros discentes e docentes da UNESP, fomos retirar a credencial no X Festival de Turismo das Cataratas. Logo na entrada, quando vi o traje das pessoas, assumo que fiquei ainda mais nervoso, pois elas estavam bem vestidas e passavam um ar de seriedade. Após o credenciamento nos dirigimos ao Hostel e eu particularmente tentei mais uma vez relaxar.
A alegria de ver seu nome no banner #sempreço
Por fim o grande dia chegou. Logo pela manha eu seria o 2º a apresentar meu trabalho, a ansiedade tomava conta, a hora era aquela, não dava para esperar.
Eu assisti a primeira apresentação e enquanto isso já estava pensando na minha. Como esperado minha hora chegou, comecei a falar sobre o meu tema, decidi falar bem pausadamente abordando todos os aspectos e olhando para prateia e também para a avaliadora do GD (Grupo de Discussão).
No momento que restava 2 minutos para acabar meu tempo a avaliadora me acenou informando sobre o tempo, mas eu já estava acabando. Acabei por volta dos 9 min e 38 sec., praticamente em cima do tempo.
Quando acebei pude observar que a pior parte estava para começar, as perguntas. Mas para minha surpresa a avaliadora me elogiou, disse que para um estudo conceitual eu apresentei e explanei com clareza o assunto. Quando ela disse isso senti um alivio, um peso saiu das minhas costas.
Eu e a Avaliadora do meu GD
Ela me deu algumas dicas e em menos de 5 minutos toda a minha participação estava encerrada. Fiquei então ate o final do GD, de certo modo adorei os outros trabalhos apresentados.
Após o termino do meu GD peguei meu certificado e fiquei perambulando pelos outros GDs. Era possível ver o nervosismo e a ansiedade das pessoas, claro que eu também fiquei daquela forma, mas aprendi que por mais que a situação nos deixe em estado de observação, nós temos que nos centrar, treinar e nos dias que antecedem o evento, devemos espairecer, pensar em outras coisas, que com certeza na hora da apresentação colheremos bons frutos.

Deixo uma mensagem a todos, procurem sempre desafiar-se, nunca se acomode, sempre busque novos horizontes, novas metas e novos rumos, pois garanto que você vai olhar para trás e ver que tudo foi muito bom e, se foi ruim, pelo menos valeu de aprendizado...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…