Pular para o conteúdo principal

A Linguiça Bragantina- Patrimônio Imaterial

 Muitas cidades ganham renome nacional e regional por características gastronômicas, políticas e socioculturais. Como exemplo é possível citar Joanópolis/SP, que é conhecida como a Terra do Lobisomem, ou Botucatu/SP, que é conhecida como a Terra da Aventura.
Arte Silvio Alvarez
Algumas cidades conseguem ter uma marca mais consolidada a partir da sua culinária. Torna-se quase impossível encontrar um cidadão que não faz referência de Minas Gerais ao Pão de Queijo, ou o Pequi de Goiás e, até mesmo, o sanduíche de mortadela do Mercado Municipal de São Paulo.
Essas marcas atribuem identidade ao destino, diferenciando-o de outras localidades e atribuindo certo destaque. Um exemplo bem claro desse diferencial do destino é o município de Bragança Paulista/SP, que é conhecida nacionalmente como a "Terra da Linguiça".
Reza a história que uma italiana chamada Palmira Boldrini, em meados e 1911, iniciou o comercio de uma linguiça caseira feita de pernil de porco, que ficou conhecida como a linguiça da dona Palmira de Bragança (VASCONCELOS, 2014).
Outra história sobre essa iguaria faz menção ao soldado bragantino Octavio Pedrosa Lente, da Força Expedicionária Brasileira (FBO). Segundo a história, o soldado em sua estada na Itália, saboreou uma típica linguiça calabresa e, de volta ao país, Octavio descobriu a receita com um casal de italianos e decidiu produzir a linguiça em um bar que herdou dos pais em meados de 1948, conhecido como Bar do Rosário (ROSÁRIO, 2014).
Mesmo tendo duas versões, o interessante é que a fama da linguiça de Bragança cresceu com os visitantes que passavam pela cidade e não podiam deixar de levar esse insumo para suas cidades. A famosa divulgação “boca a boca” fez a linguiça bragantina ganhar novos olhares e assim novos públicos.
Hoje, com a divulgação midiática e o marketing, a fama cresceu e viajantes do estado inteiro vão a Bragança Paulista para conhecer as suas belezas naturais e artificiais e, como consequência, não podem ir embora sem antes provar da genuína linguiça bragantina.
O que ocorre em Bragança Paulista é um fato que muitos destinos possuem, é como ir a Itália e não comer massa, ou ir ao Sul do Brasil e não comer churrasco, ou até mesmo ir ao Pará e não comer castanha.
E é isso que move o turismo, a curiosidade, o prazer de desfrutar algo autentico daquela cidade ou região, é simplesmente conhecer e poder levar para casa um pedacinho das suas experiências.

Referências:

VASCONCELOS, J.R. (2014)  Bragança Paulista, a terra da linguiça. Linguiçaria Bragança. Disponível em: http://www.linguicadebraganca.com.br/index.htm. Acesso em: 04 Maio 2015.


ROSÁRIO, L. (2014)  História da linguiça de Bragança. Rosário Linguiçaria. Disponível em: http://www.linguicadorosario.com.br/historia.asp. Acesso em: 04 Maio 2015.

MATÉRIA PUBLICADA NA REVISTA BRAGANTINA ONLINE.
 Acompanhe: https://sites.google.com/site/revistabragantinaonline/


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…