segunda-feira, 18 de maio de 2015

A Linguiça Bragantina- Patrimônio Imaterial

 Muitas cidades ganham renome nacional e regional por características gastronômicas, políticas e socioculturais. Como exemplo é possível citar Joanópolis/SP, que é conhecida como a Terra do Lobisomem, ou Botucatu/SP, que é conhecida como a Terra da Aventura.
Arte Silvio Alvarez
Algumas cidades conseguem ter uma marca mais consolidada a partir da sua culinária. Torna-se quase impossível encontrar um cidadão que não faz referência de Minas Gerais ao Pão de Queijo, ou o Pequi de Goiás e, até mesmo, o sanduíche de mortadela do Mercado Municipal de São Paulo.
Essas marcas atribuem identidade ao destino, diferenciando-o de outras localidades e atribuindo certo destaque. Um exemplo bem claro desse diferencial do destino é o município de Bragança Paulista/SP, que é conhecida nacionalmente como a "Terra da Linguiça".
Reza a história que uma italiana chamada Palmira Boldrini, em meados e 1911, iniciou o comercio de uma linguiça caseira feita de pernil de porco, que ficou conhecida como a linguiça da dona Palmira de Bragança (VASCONCELOS, 2014).
Outra história sobre essa iguaria faz menção ao soldado bragantino Octavio Pedrosa Lente, da Força Expedicionária Brasileira (FBO). Segundo a história, o soldado em sua estada na Itália, saboreou uma típica linguiça calabresa e, de volta ao país, Octavio descobriu a receita com um casal de italianos e decidiu produzir a linguiça em um bar que herdou dos pais em meados de 1948, conhecido como Bar do Rosário (ROSÁRIO, 2014).
Mesmo tendo duas versões, o interessante é que a fama da linguiça de Bragança cresceu com os visitantes que passavam pela cidade e não podiam deixar de levar esse insumo para suas cidades. A famosa divulgação “boca a boca” fez a linguiça bragantina ganhar novos olhares e assim novos públicos.
Hoje, com a divulgação midiática e o marketing, a fama cresceu e viajantes do estado inteiro vão a Bragança Paulista para conhecer as suas belezas naturais e artificiais e, como consequência, não podem ir embora sem antes provar da genuína linguiça bragantina.
O que ocorre em Bragança Paulista é um fato que muitos destinos possuem, é como ir a Itália e não comer massa, ou ir ao Sul do Brasil e não comer churrasco, ou até mesmo ir ao Pará e não comer castanha.
E é isso que move o turismo, a curiosidade, o prazer de desfrutar algo autentico daquela cidade ou região, é simplesmente conhecer e poder levar para casa um pedacinho das suas experiências.

Referências:

VASCONCELOS, J.R. (2014)  Bragança Paulista, a terra da linguiça. Linguiçaria Bragança. Disponível em: http://www.linguicadebraganca.com.br/index.htm. Acesso em: 04 Maio 2015.


ROSÁRIO, L. (2014)  História da linguiça de Bragança. Rosário Linguiçaria. Disponível em: http://www.linguicadorosario.com.br/historia.asp. Acesso em: 04 Maio 2015.

MATÉRIA PUBLICADA NA REVISTA BRAGANTINA ONLINE.
 Acompanhe: https://sites.google.com/site/revistabragantinaonline/