Pular para o conteúdo principal

Paris, Barcelona, Frankfurt, Copenhague e Veneza: Os horrores e amores no Airbnb

Os modelos de hospedagem evoluíram muito nos últimos anos, mas em contrapartida, os serviços sofreram uma grande decadência.  Vivemos a ascensão dos hostels, que alteram os modos de se hospedar e se servir.
Depois tivemos o “boom” das hospedagens solidárias, como o couchsurfing, por exemplo.  E agora vivemos a era do Airbnb. Bom, deixem me contar minhas experiências: Eu usei o Airbnb em Paris, Barcelona, Frankfurt, Copenhague e Veneza, nesses 5 destinos tive experiências engrandecedoras e desanimadoras.
Primeiro, vou lhe explicar por qual motivo o Airbnb nasceu. A ideia surgiu em ofertar as famílias que possuíam um quartinho vazio a possibilidade de aluga-lo e fazer aquela graninha para ajudar nas contas do mês. Em outro ponto, está o viajante, que consegue baratear os custos de viagem.
Mas além desses dois princípios, existe a troca de experiências, base principal do couchsurfing. A troca de experiências permite que viajantes e locais troquem ideias, conselhos e experiências e criem um turismo mais humano e sustentável... Mas, não é isso que está ocorrendo.
Das 5 propriedades que visitei, somente duas (Frankfurt e Copenhague) segue os princípios iniciais dos Airbnb. As outras são casas transformadas em hotéis, quartos transformados em hotels e fachadas que escondem o verdadeiro intuito do turismo social, comunitário e sustentável.
Em Paris eu e umas amigas ficamos em uma propriedade um pouco mais afastado do centro. Mas no entanto, toda comunicação entre nós e o proprietário fora feito online, ele nos avisou onde deixaria as chaves, a normas da casa, check in e check out. Ficamos literalmente sozinhos na propriedade durante 3 noites e depois seguimos as instruções do proprietário para a saída.
Já em Barcelona a historia foi outra, o anfitrião detém uma flat no centro de Barcelona e aluga os 4 quartos para o Airbnb. De espaços pequenos, cozinha, banheiro e sala compartilhada, regras de convivência e endereço falso, o proprietário literalmente, criou um hostel que não paga impostos e engana viajantes pelo mundo afora.  Até porque em Barcelona a pratica do Airbnb tem serias restrições.
Em Frankfurt a experiência foi mais positiva, o Anfitrião mora no prédio, no entanto, ele hospeda os viajantes em outro andar. Então tivemos um contato real com o anfitrião e discutimos sobre nossa viagem.
Em Viena foi bem parecida com o de Barcelona, pois o anfitrião possui uma casa, na qual aluga os quartos, mas, no entanto essas informações estavam expostas no site do Airbnb e o anfitrião fez questão de estar lá quando eu cheguei.
Em Copenhague tivemos uma das melhores experiências de Airbnb, o Anfitrião realmente vive na casa e, ele hospeda os viajantes em seu “porão”, que na realidade é um espaço super arejado, iluminado e acessível. E além disso, o anfitrião se sentou com a gente, compartilhou suas historias e nos explicou como se virar em território dinamarquês.
O Airbnb sem sombra de dúvidas pode diminuir os custos de sua viagem, oferecer uma experiência incrível, mas em outro ponto, pode te trazer muita dor de cabeça e algumas noites sem dormir.
Por isso, pesquise bem antes de fechar com o anfitrião e, ai vai uma dica, leia os comentários de outros viajantes, pois eles são essenciais para evitar problemas.  E boa viagem!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…