sábado, 28 de março de 2015

Lobisomem, mito e comércio- Caso Joanópolis/SP

Quadro, Lua- Silvio Alvarez. Exposto no 13º Festival
Nacional do Saci/ Botucatu/ SP
O caso do sumiço do lobisomem da Estância Turística de Joanópolis/SP foi matéria em todos os meios de comunicação, todo mundo soube, gente do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, enfim, o Brasil agora sabe da Capital do Lobisomem.
Mito esse que auxilia a cativar os turistas e os envolve em um clima lúdico e curioso. Ao andar pelas ruas da pequena Joanópolis é possível ver vários desses lobisomens espalhados pelo comércio, um mais criativo do que o outro, que convidam os visitantes a tirar uma foto.
13º Festival Nacional do Saci/ Botucatu.
O sumiço do lobisomem da entrada da cidade virou polemica e trouxe mais olhares para a cidade. Mas se torna intrigante analisar que a cidade só dispõe de alguns desses personagens espalhados pela cidade, lembranças no seu nome e quitutes em sua homenagem, mas o verdadeiro motivo para cidade ser conhecida assim poucos sabem.
Talvez esse mito tenha sido bem explorado no passado, mas no contexto atual ele já perdeu força, ainda mais com o fechamento da Casa do Artesão. Se nem os próprios moradores sabem o porquê da lenda, quem dirá os turistas.
O mito está se tornando algo comerciável, está perdendo seu aspecto educativo e de salvaguarda do folclore, quando isso ocorre é sinal que a turistificação o atingiu e, transformou seus valores, o transformando em mera encenação para gerar lucro e iludir turistas.


Coluna Publicada em:
Jornal O Registro- Sul de Minas e Região Bragantina- 28 de março de 2015.