Pular para o conteúdo principal

O Ressurgir do Passado- Vale do Jacareí

Casa que reapareceu com a diminuição da água
Assim como esperado no ano de 1880 o vale do Jacareí, situado no município de Joanópolis no Estado de São Paulo, foi inundado pelo represamento de suas águas. A construção do lago do Jaguari-Jacareí foi iniciada em 1977 e contou com cerca de 1.100 operários. Tal vale que possuía grande importância estratégica, econômica, social e produtiva.
As terras altamente férteis do local permitiam as famílias viver da agricultura e da pecuária. As inúmeras olarias espalhadas resumiam a importância e a alta valorização do barro do Jacareí.
Cruzando por essa terra rica existiam duas estradas, uma ligando Joanópolis a Piracaia e outra ligando Bragança Paulista a Joanópolis. Ambas sinuosas e margeadas pelos rios tendo em cada curva uma barricada para evitar que as águas a inundassem.
Antiga Estrada Joanópolis\Piracaia
Os moradores locais já conheciam o potencial da região e em futuro bem distante já se acreditava e se falava no seu represamento.
E um dia esse futuro tão distante se tornou realidade.  As pouco mais de mil famílias já sentiam que o seu fim estava próximo. E para fomentar ainda mais essa ideia, por volta de 1975 é iniciada a desapropriação pelo advogado da Sabesp, munido no Decreto-Lei nº 3.365, de 21 de junho de 1941. (MORAIS, 2010, p.70)
Nível do Rio Jacareí
Segundo Morais (2010, p. 79), na época da desapropriação o advogado da Sabesp chegava e avaliava a propriedade e em seguida fazia a oferta, se o proprietário aceitasse em poucos dias o valor seria debitado, caso contrario ele teria que brigar por longos anos na justiça. Mas o medo de perder suas terras para o governo fazia que muitos aceitassem a proposta.
Alguns proprietários, com um pouco mais de instrução, vendo uma apreciação maior das propriedades com algum tipo de agricultura começaram a plantar para aumentar o valor de suas posses.
Entrada de uma antiga propriedade
Embalado pela briga na justiça e pela falta de documentos que comprovassem a pose da terra, muitos proprietários ainda não receberam o valor prometido e esperam a decisão judicial para receber a indenização. (MORAIS, 2010, p. 93)
Então a sonhada benfeitoria do Governo se concretizou, a construção da maior represa do Sistema Cantareira. As maquinas vieram, cortaram as árvores e boa parte da vegetação para que a mesma não consumisse o oxigênio da água. Algumas casas foram demolidas pelos próprios proprietários, outras foram inundadas.
Restos de Construção
O jornal da época (Estado de São Paulo, 22/05/1980) já anunciava que as duas estradas que ligavam Joanópolis aos outros municípios iriam desaparecer do mapa e com ela o vale do Jacareí, gerando a necessidade da construção de outras estradas. Assim nasceu a estrada Entre Serras e Águas (Estrada dos Bandeirantes), ligando Joanópolis, a Bragança Paulista, e a estrada entre Joanópolis e Piracaia, ambas contempladas com a belíssima vista do represamento do Jaguari-Jacareí.
A construção da represa foi uma das grandes propulsoras do turismo municipal, uma vez que mais de dez pousadas foram instaladas ao seu redor e os hospedes e turistas praticavam o turismo de aventura, turismo náutico e turismo de pesca. Além da bela vista ser o cartão postal do turismo ela foi utilizada para aumentar a especulação imobiliária.
Na época a região da Serra da Mantiqueira já era denominada como sertão, dado pelo período de estiagem e de grandes chuvas. A última seca foi no ano de 2001, que fez renascer parte das estradas perdidas.
Pequenas poças que compõe o atual nível da represa
Já a seca mais atual está acontecendo neste instante, uma das piores da história. Em virtude disso o tema da 7º Semana do Meio Ambiente de Joanópolis teve como tema a seca. Movidos pelo caráter histórico, ambiental e social do vale, foi agendado uma caminhada no sábado de manha (07/09), conduzida pelo técnico e engenheiro ambiental Diego Toledo.
Por mais incrível que possa parecer às estradas que cortavam essa região no passado ressurgiram, e com elas todas as lembranças do passado emergido pela água.
A estrada renasce como se o tempo não estivesse corrido, as antigas pedras, antigas pontes e antigas barragens ressurgem como se nada tivesse acontecido, como se não tivesse passado mais de 30 anos do seu desaparecimento. Com a seca ressurgem as antigas cercas, muros, pastagens, portais de propriedades, casas e vestígios de construção.
Um erro histórico, ambiental e social não seria apagado facilmente como se nada tivesse ocorrido. A seca evocou as lembranças desse período, mexeu na ferida que não se cicatrizou e trouxe a outras problemáticas.
Na tese de mestrado da então Professora Me. Marta Aparecida de Oliveira de Morais ela conclui com a seguinte reflexão:
O país exige que a sociedade se prive, muitas vezes de seus territórios, de seus valores históricos, afetivos e culturais, em favor do desenvolvimento econômico. A construção de represas tem como objetivo atender um grande número de pessoas, porém uma minoria tem que “abandonar” seus “lugares” em favor dessa maioria; o grande problema está na troca de benefício, no qual muitas pessoas nada receberam em nome desse desenvolvimento, ou ainda aguardam a decisão da justiça para receber indenizações. (MORAIS, 2010, p. 93)
Área que era toda coberta por água
Tal reflexão nos remete novamente ao passado. Assim como falado anteriormente o erro não seria apagado com o tempo, o que o tempo pode ter feito é amenizado os seus impactos, mas agora o que antes foi sinônimo de progresso e desenvolvimento estadual e federal, não passa de um mero campo aberto a espera da chuva.
Fazendo uma analogia ao campo aberto a espera de chuva está à memória das antigas famílias, que possuem uma ferida aberta a espera de respostas e soluções.

AGRADECIMENTO
Gostaria de agradecer a Professora Me. Marta Morais que com grande empenho me auxiliou e me enviou a sua tese de mestrado que possui como titulo “O Sistema Cantareira e a análise de impactos socioambientais da construção da represa do Jaguari-Jacareí, São Paulo.”. Tal apoio foi essencial para construir essa matéria.
Também gostaria de agradecer ao Técnico e Engenheiro Ambiental Diego Toledo por conduzir o grupo até a antiga estrada, e pela riqueza de informações de caráter histórico, ambiental e social do local.


Matéria Publicada na Revista Bragantina On Line.

















REFERÊNCIAS

MORAIS, M.A.O. O Sistema Cantareira e a análise de impactos socioambientais da construção da represa do Jaguari-Jacareí, São Paulo. 2010. 105p. Dissertação de Mestrado. Pontifica Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…