sábado, 28 de novembro de 2015

Mancha marrom no Turismo Mineiro e Capixaba

Durante as ultimas semanas muito foi falado do desastre ocorrido com o rompimento da barragem em Mariana/MG. O país tem se mobilizado para auxiliar as famílias nas suas necessidades e, além disso, tem-se observado uma comoção surpreendente com a mudança nas características paisagísticas dos locais afetados pela marcha da lama.
A lama destruiu famílias, vilas, casas, bares, restaurantes e muito mais, mas, sobretudo transformou lugares, criou desertos e deixou terras e águas sem vida, pessoas sem condições de sobrevivência e também, deixou um turismo sem vida, sem perspectivas e órfão.
Falar em turismo nesse momento pode soar mal, contudo muitas das famílias do litoral Capixaba e da cidade de Mariana tinham no turismo como meio de sobrevivência. Os impactos da lama extrapolam os limites econômicos, sócias, ambientais, culturais, psicológicos, paisagísticos e etc. A recuperação dessas áreas podem levar anos e décadas, ou, talvez nunca possam ser recuperadas, restando assim fragmentos nas memórias do que foi um dias essas localidades.
Com o rompimento da barragem o Brasil perdeu pessoas, cidades, lagos, plantações, prédios, casas e outras coisas, mas em especial, o Brasil e nós brasileiros perdemos o nosso patrimônio Nacional, sinônimo de orgulho e identidade.