quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Diário de Viagem - Encantamentos das Cataratas do Iguaçu


 Há alguns meses atrás fui apresentar um trabalho em Foz do Iguaçu e tive o privilégio de conhecer alguns atrativos da cidade, bem como o maior e o mais visado de todos, as Cataratas do Iguaçu.
Antes de conhecer o lugar sempre ficava me perguntando como seria e se é tudo aquilo que as propagandas e os turistas dizem. Bem, ela é tudo o que eu ouvia e muito mais.
Quando fui, foi em um sábado de manha, chegamos antes das bilheterias abrirem, que abrem às 9h. Mas, logo de manha já estava uma fila considerável e tivemos que esperar um pouco.
Assim como o ingresso (mesmo pagando meia entrada), tudo no Parque Nacional do Iguaçu é muito caro, mas claro que pra mim tudo fica caro, sendo que sou estudante. Mas, desde o café ao souvenir tudo tem um preço pra turista.
Contudo, logo de inicio eu, e meus amigos, nos encantamos com a infraestrutura do parque e a prestação de serviço dos colaboradores, que sanavam todas as duvidas e conduziam os turistas aos ônibus que levavam ao roteiro turístico.
O Roteiro Turístico é aquele que leva ate as cataratas e vai passando por algumas trilhas (que são a parte, ou seja, devem ser contratadas em uma empresa), passa também pelo Hotel Recanto das Cataratas e chega as quedas d’agua, tudo isso feito nos deslumbrantes ônibus panorâmicos.
Nós optamos por ir direto às cataratas, dado que nosso tempo era reduzido. Assim, descemos do ônibus um pouco antes do fim do roteiro e caminhamos por uma trilha (gratuita) que nos levava a ver varias quedas d’agua e por fim o ápice do passeio, a maior de todas as quedas.
Quando visualizei la de cima as quedas da garganta do diabo fiquei encantado, pois era muita beleza expressa na natureza. Meus olhos não eram capazes de assimilar tanta diversidade de cores em uma paisagem de cinema.
Fiquei uns bons minutos desfrutando da paisagem que congregava o canto dos pássaros, respingos de agua e uma leve brisa batendo em nosso rosto.
O interessante desta primeira parada é que tinha uma estrangeira no momento e ela nos pediu para tirar uma foto dela e, logo após, ela tirou uma foto nossa. Foi interessante, pois pude perceber a interação que um monumento natural proporcionou aos visitantes.
Depois deste ponto seguimos a trilha e chegamos à passarela que atravessa as cataratas. Bom, foi à hora que mais me molhei, mas, também, foi a hora que mais me senti parte daquele meio.
Após o banho na passarela, subimos para a praça de alimentação e ao elevador panorâmico, que foi construído bem ao lado de uma das quedas e permite ao visitante tirar lindas fotos e usufruir do ambiente.
Posteriormente, fomos à praça de alimentação escolher nosso almoço. Sentamos em alguns bancos que são de frente ao rio e, parecia que estávamos no meio da mata, pois o barulho da agua, o clima úmido e os inúmeros quatis nos remetiam tal devaneio.
O almoço simbolizava nossa despedida do Parque Nacional do Iguaçu, pois logo após pegamos o ônibus panorâmico e nos dirigimos a portaria.
Apesar da grande beleza cênica das Cataratas do Iguaçu, se faz necessário uma reflexão, dado que o ambiente é um parque ecológico e é notado a grande comercialização que se tem e, sobretudo, a grandiosa estrutura edificada nesta área.
Claro que o parque atrai milhares de turistas por dia, mas no ponto de vista mercadológico enquanto usufruto brasileiro é possível visualizar preços que exploram a maioria das condições salariais deste país.