Pular para o conteúdo principal

Desenvolvimento Turístico- Revista Bragantina On Line

Na edição de Agosto da Revista Bragantina On Line, trago na coluna A Arte do Turismo e da Hotelaria a importância da participação e aceitação da população no desenvolvimento Turístico. Acompanhe:

Desenvolvimento Turístico
A atividade turística tem se expandido e ganhado novos mercados nos últimos anos, devido ao fato do turismo ser uma fonte de renda alternativa que não requer grandes investimentos. Com isso nasce o desejo de inúmeros municípios em se tornarem um destino turístico.
Em contrapartida ao anseio da Prefeitura e dos comerciantes está a população, que na maioria das vezes não concorda que o município receba turistas e invista no turismo.
Capa, Revista Bragantina On Line
Muitas cidades com potencial turístico, localizadas no interior do estado e com sistema urbano em formação, poderão receber um grande fluxo de turistas, gerando transtornos no trânsito, no acesso ao comércio e sistema bancário; o que acarretará em descontentamentos na população local.
Outro argumento utilizado é que o turista depreda o patrimônio da cidade. As formas de depredação podem ser entendidas pelo fato dos visitantes deixarem lixo no local e pelo hábito de escrever nomes e mensagens em árvores e muros.
Além disso, outra preocupação dos moradores é com a violência que o turismo poderá trazer. Quando o município vira um destino turístico, obviamente há um investimento em divulgação para captar novos turistas, logo, essa divulgação atinge diversos níveis sociais e grupos com diferentes características.
A resistência da população é clara quando se trata de um município pequeno que é conhecido regionalmente. Outro empecilho é que a chegada da atividade turística altera o modo de vida da população, que levará certo tempo para se adaptar.
Como todo desenvolvimento, a atividade turística municipal depende basicamente do apoio e empenho da população. Portanto, cabe à administração pública sensibilizar a comunidade local acerca dos benefícios do turismo.
Não havendo o interesse por parte da população em receber turistas, o destino vai perder a característica hospitaleira, acarretando falta de mão de obra, que pode ocasionar a importação desse serviço. Tais fatores poderão impactar negativamente a imagem do município, uma vez que os maiores divulgadores são os habitantes.
É necessário expor ao munícipe que o turismo é uma grande fonte geradora de empregos, bem como uma nova alternativa de comércio e um agente que garante a permanência do jovem na cidade.
O turismo, quando bem aplicado, permite o desenvolvimento urbano, ou seja, melhorias de estradas, sinalização e a preservação patrimonial, além do desenvolvimento social, com cursos profissionalizantes, valorização e intercâmbio cultural.
Artigo Revista Bragantina On Line
O apoio da população no desenvolvimento turístico do município é indispensável. Uma das formas de sensibilização de base pode ser feita na escola, pois é por meio da sensibilização das futuras gerações que será construída uma sociedade tolerante e democrática.
Sendo assim, o turismo deve ser inserido no âmbito escolar, garantindo dessa forma a liberdade de escolha da população em ser ou não ser um destino turístico. As futuras gerações serão as responsáveis pelo desenvolvimento municipal, estadual e federal, e se elas tiverem um conhecimento previamente fomentado serão capazes de escolher as melhores alternativas.



Acompanhe a Revista Bragantina On Line: https://sites.google.com/site/revistabragantinaonline/
Acompanhe a Edição de Agosto da Revista: http://pt.scribd.com/doc/237053365/Revista-Eletronica-Bragantina-On-Line-Agosto-2014

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…