Pular para o conteúdo principal

Paris: muito além da Cidade Luz

Ah a cidade luz! A Paris da Torre Eiffel, do Arco do Triunfo, do Museu do Louvre, da Champs Elysee e de outros cartões postais. Também é uma cidade de contrastes!
Chegamos a Paris, eu e mais duas amigas brasileiras, lá pelo dia 19 de dezembro de 2016. A cidade estava bem fria, afinal era inverno na Europa!
Como pegamos Ryanair descemos em um Aeroporto um pouco afastado do centro, o famoso Aéroport de Beauvais, que fica há aproximadamente 1h e 15min do Port Maillot. Então chegamos ao aeroporto e pegamos o primeiro ônibus que saia (site do ônibus aqui). Mas detalhe, comprem antes, pois na hora é mais caro!
Moulin Rouge
Ai chegamos ao Port Maillot e fomos direto ao metro. Engraçado que quando você chega, não se sabe ao certo qual caminho a seguir, na duvida, segue a multidão!
No metro compramos o T10, que são 10 tickets de viagem, que podem ser usados para ônibus, trem, metro e tram dentro de algumas zonas de Paris, que no caso contemplava a nossa.
Mas não estávamos tão perto assim do centro de Paris, basicamente levávamos quase 1h para chegar ao centro (podemos dizer que somos peritos em transporte em paris hahaha).
O metro de Paris é bizarro, eles fazem uma marquinha roxa no seu bilhete usado que quase você não percebe, então, cuidado para não misturar com os não usados e outra coisa, mantenha em sua mão até o final da viagem! (pois fiscais brotam do ar condicionado)
Pegamos um Airbnb que foi super maneiro (a primeira experiência com o site, estávamos com um medo haha). A casa que pegamos estava vazia, então fizemos a festa :) (não literalmente). Mas infelizmente a casa não tinha WiFi, então roubávamos internet do Mc Donald’s  da esquina (viramos fregueses s/ pagar).
Museu do Louvre
Sobre os atrativos de Paris, há vários museus em todo lugar e coisas para se ver. O Louvre, por exemplo, é gratuito para estudantes (mas leve um documento de estudo em inglês, levei em húngaro e me dei mal :´( )
Outra coisa, não comprem chaveiros nas lojinhas espalhadas por toda a Paris, pois os “camelos” vendem muito mais barato e eles estão por toda parte (6 chaveiros por 1 euro). Mas tome cuidado, eles fazem de tudo para ganhar dinheiro, tudo mesmo, pedem para você assinar coisas, ajudar em outras, então se negue ao máximo!
Arco do Triunfo
Basicamente há um triangulo entre a Torre Eiffel, o Arco do Triunfo e o Museu do Louvre, “but”, mas, você vai levar um tempo para percorrer tudo a pé, ai sugiro pegar um metro, que vai ser mais rápido e você vai salvar muito mais tempo (até pq Paris venta muito, e andar no frio não é tão legal assim)
Todos os atrativos são sensacionais, mas na real, duvido você tirar uma foto sem ninguém atrás (principalmente asiáticos #portodolugar), Alias, se conseguir, manda a foto ai para gente!
Os três mosqueteiros 
Mas diferente do que todos pensam, a Cidade Luz, também é a cidade dos contrastes, não é tudo tão belo, tão limpo e tão amigável como aparece na TV. A cidade passa um ar de insegurança, de pobreza, vandalismo e a existência de um grande abismo que divide diferentes classes sociais.
Digo isso, pois não fiquei somente nos centros turísticos, mas fui para as partes mais afastadas, e Paris nada mais é que uma grande metrópole, com desigualdades sociais, pichações, diferentes pessoas e outras coisas com as quais convivemos diariamente no Brasil.
A única diferença é que ela tem ruas famosas, museus lindíssimos, séculos de historia e atrativos reconhecidos mundialmente.
Mas mesmo com estes paradigmas sociais a Cidade Luz, ainda é digna de ser conhecida e desfrutada. Afinal, você precisa tirar suas próprias conclusões. So Let’s go to travel :) 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…