quinta-feira, 21 de julho de 2016

A saga começou: Viajando para Europa

Há algum tempo venho tentando meu intercambio para Europa. Tentei a primeira vez para Santiago de Compostela, na Espanha, mas não obtive sucesso por estar no primeiro ano de faculdade.
Há alguns meses entrei em mais um edital de intercâmbio, no qual coloquei três opções: Vigo, em Portugal; Valência, na Espanha; e como terceira escolha optei por Budapeste, na Hungria. Mas sempre tive o desejo de estudar em um país de língua espanhola, no entanto, para minha surpresa fui selecionado para ir à Hungria.
O país de língua oficial húngara e de segunda língua inglesa está situado no leste europeu. Basicamente ficarei dez meses lá, mas o que eu quero retratar a vocês é o inicio desta saga ainda aqui no Brasil.
O território húngaro permite a visitação de brasileiros no período de três meses sem a necessidade de um visto. Mas, como disse anteriormente, vou ficar 10 meses, então tive que correr atrás do tão temido visto.
Já comecei tendo que enviar uma papelada ao projeto que me selecionou e enviar os primeiros documentos à embaixada. E foram muitos documentos, formulários, várias impressões, xerox e por aí vai.
No entanto, sair do Brasil parece mais difícil do que ficar nele, pois você tem que ir no Itamaraty autenticar seus documentos, enviar esses documentos para um(a) tradutor(a) juramentado(a), enviar à embaixada, ir à embaixada e assim esperar o seu visto ser emitido. Claro, isso quando você já tem um passaporte, pois se não tiver tem que ir a Policia Federal e fazer todos os trâmites.
Enfim, nessas idas e vindas ao Itamaraty, Embaixada e até mesmo a Policia Federal você pode ficar ciente que além dos custos com transportes, você vai desembolsar um bom dinheiro com as taxas que são cobradas.
Em resumo, tem taxa de emissão de passaporte, taxa de autenticação do carimbo do Itamaraty, taxa de tradução, taxa de autenticação de tradução, taxa de emissão de visto e a taxa de envio dos documentos por correio, sendo esta a única opcional, pois você pode retirar os documentos direto na embaixada.
Nesta saga você perde dias preparando documentos, relatórios e preenchendo formulários. Mas se seu sonho é viajar para fora, talvez enfrentar esses trâmites seja uma pequena dificuldade frente ao retorno.
Além disto, depois que você passar por tudo isso uma vez, ficará mais fácil nas demais. Por isso, não hesite em sanar todas as suas dúvidas antes de ir a qualquer órgão, seja ao Itamaraty, ao Consulado ou a Policia Federal, leia atentamente tudo o que eles pedem, ligue, religue, mande e-mail, faça tudo para obter as informações a distancia, pois quando você tiver que ir pessoalmente a esses lugares tudo estará correto e você não perderá viagem, principalmente se você não mora nos grandes centros urbanos e que demora horas para se deslocar até eles.

Portanto, se deseja viajar para fora se programe antes e tenha bastante paciência e Bon voyage!

Artigo Publicado na Revista Bragantina On Line: https://issuu.com/diegodetoledo/docs/revista_bragantina_-_julho_-_2016