Pular para o conteúdo principal

E existe a depressão pós-intercâmbio?

Há um tempo que eu venho pensando no melhor momento de compartilhar aquilo que mais frustra viajantes, a depressão pós-viagem e, eu não foi poupado.
Quando estava indo para o intercâmbio acreditei que o que eu sentia seria para sempre, nunca passaria e que a cada dia meus devaneios seriam mais e mais fortes até que em algum momento eu poderia voltar para o Brasil e passar horas e horas mostrando minhas fotos para meus amigos e compartilhando minhas experiências.
De fato, parte disso aconteceu. Eu vivenciei coisas incríveis, chorei, sorri, falei, cantei, comi, dancei... Enfim, fiz de tudo e, lembrar que no começo tive um medo insuportável de partir por acreditar que não iria conseguir me virar em solo estrangeiro.
Aos poucos as horas foram se tornando dias, os dias meses e lá se foram os dez meses que iria ficar abroad. Não sei nem como descrever a intensidade das relações que obtive, não sei nem ao menos falar o motivo pelo qual me senti tão cidadão de uma terra que nunca fora minha, mas que me acolheu e me fez conhecer seus encantos e tristezas.
Nas últimas semanas já quis ficar, me agarrei ao solo húngaro e decidi nunca mais voltar para minha pátria. No entanto essa decisão foi tomada no meu subconsciente, mas não era real, eu teria que voltar, dar segmento na vida e abandonar tudo aquilo que foi a minha vida por dez incríveis meses.
Quando tive que despedir daqueles que deixei por lá parecia que parte de mim ficava e saltava do meu peito. Aprendi que fácil e dizer “até logo” quando você tem a noção que em um futuro breve você estará de volta e que impossível é dizer “adeus” não podendo dizer “até logo”, pois nunca se sabe quando voltará para as terras do velho mundo.
Na volta para o Brasil vem um êxtase, reencontrar a família no aeroporto, rever os amigos, professores e todos aqueles que ficaram torcendo pelo seu sucesso daqui. Estase esse que tem prazo, umas duas semanas mais ou menos, que é quando você entrega as lembranças que você comprou, conta parte da sua experiência e põe o assunto em dia, depois desse tempo, vem o que eu sinto agora.
Eu me sinto incompleto, um pouco menos sonhador e sem palavras para expressar a mim mesmo. Porém, sei que conquistei coisas que boa parte da população brasileira somente sonha, sei que realizei meu sonho e tudo mais....
Mas, tudo parece tão distante, parece que nunca aconteceu, ao ver minhas fotos das viagens eu me sinto triste. Triste por não poder estar vivenciando novamente, triste por já ter passado e, triste, por não saber quando voltarei.
Não é que a tão falada depressão pós-viagem realmente existe.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nicarágua, um paraíso natural

ORIGEM DO NOME, Nicarágua A origem do nome é incerta, já que o país não conta com um registro indígena, podendo-se recorrer somente às crônicas dos primeiros espanhóis. Nessas crônicas fala-se sobre o povo náhuatl que viviam entre o grande lago (chamado de Nicarágua posteriormente) e o Oceano Pacífico; a esta terra eles davam o nome de nic–atl-nahauc que significa "aqui junto a água".



LOCALIZAÇÃO A Nicarágua é um país da América Central, limitado ao norte pelo Golfo de Fonseca (através do qual faz fronteira com El Salvador), Honduras, a leste pelo Mar das Caraíbas, através do qual faz fronteira com o território colombiano de San Andrés e Providencia, a sul com a Costa Rica e a oeste com o Oceano Pacífico. Sua capital é Manágua. TOP 8 CURIOSIDADES -1ª Que futebol que nada! O esporte mais popular da Nicarágua é o beisebol. -2º A bebida típica é o pinolillo, uma bebida feita com milho, cacau, canela e outros ingredientes - 3º No total, a Nicarágua possui nove grandes lagos. Não é sem …

O que fazer depois que acabar a faculdade? Bacharel em Turismo

Após os três, quatro ou cinco anos de faculdade é natural que muitos ainda se perguntem o que vão fazer depois da faculdade, essa pergunta não é privilégio apenas dos futuros turismólogos, muitos e muitos outros futuros profissionais se fazem o mesmo questionamento. Mas falando dos futuros turismólogos, ao longo do curso a grade oferece uma serie de conhecimentos multidisciplinares que possuem o intuito de capacitar o profissional para os diversos meios de atuação do turismólogo. Mas a problemática se insere neste contexto. Algumas profissões como, por exemplo, licenciatura em Matemática, ou você ministra aulas ou vira pesquisador, são apenas duas opções (ou mais), de certa forma fica mais fácil de decidir, assim como biomedicina, ou você trabalha em um laboratório de analises clinicas, ou se torna professor ou se torna pesquisador. Já no turismo a realidade é inversa, em síntese temos os seguintes campos de atuação, cruzeiros, agencias de viagens, docente, poder publico, eventos, hotela…

O Folclore e o Turismo

Mas o que significa e o que é Folclore? Folclore é o conjunto de crenças, superstições, lendas, festas e costumes de um povo passado de geração em geração. A palavra Folclore vem do inglês pela junção das palavras folk (povo) e lore(sabedoria popular) significando sabedoria do povo. O Folclore no Brasil só começou a receber atenção da elite na metade do século XIX, durante o Romantismo. Naquela época, a cultura popular crescia na Europa e Estados Unidos e, baseados nesse interesse, estudiosos brasileiros como Celso de Magalhães e Sílvio Romero pesquisaram as manifestações folclóricas nativas e publicaram estudos. (FOLCLORE, 2010) Você sabia que o Folclore é protegido por lei? Isso mesmo, de acordo com a Constituição Federal de 1988, nos artigos 216 e 215, que relatam sobre o patrimônio cultural brasileiro: “os bens materiais e imateriais, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasilei…